Pages

Sobre as nuvens


Sobre as nuvens

 Fui desenhando montanhas e horizontes. Carrosséis obscuros de antimatéria, sugando tudo que passasse por perto. Sugou-me, fui parar em outra dimensão. 
 Usastes de minhas lágrimas. Fizestes rio para navegar. Foram nos prantos e nos alentos de minha solidão que achastes lugar para ficar. E ficou ali como estátua. Pedra que não se move. Cisco no olho de quem não pisca e ao mesmo tempo não quer ver.
 Vamos desenhando um finito rabiscado em um pedaço de papel. Nada pode ultrapassar a barreira criada pelas margens. Nada pode fugir da limitação criada por sua cabeça. Nada pode ir além do que você vê.
 Vamos criar um emaranhado de borrões. Nesse, o lógico se perde em meio as curvas de desejos. O fim, se confunde com o começo. Em um só. Nesse, não existe o erro das imperfeições. Pois a perfeição vem de dentro de sua alma. Contornando o horizonte como um arco íris. Sem pote de ouro, sem erros humanos.
 Estou pelo limite de minha transcendência. Estou ultrapassando a barreira do lógico, do finito, do real. Fui navegando em nuvens de pensamentos, indo a quem do que eu poderia imaginar. Sendo quem, eu jamais imaginaria. Assim entendo o que você quer de mim. Assim entendo, que entender não me leva a lugar algum. Então flutuo, navego e volto ao real. Nas margens das quais eu não devo e não posso ultrapassar. Volto a ser linha reta, volto a ser página em branco. Assim, volto a ser nada. Nada do qual os olhos podem se incomodar. 

Entre Cabelos e Barba

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário: