Pages

Janela de casa


Janela de casa


 O Sol irradia todas as manhãs. Corta janelas, cômodos e nos mostra que o dia já raiou. É hora de despertar. Todo dia uma nova oportunidade. Todo dia a chance de consertar os erros...
 E a cada nuvem laranja que surgia no céu distante. Uma maneira diferente de viver surgia aqui dentro de mim. Era a maneira mais simples ou mais complicada. Dependia do ponto de vista. As nuvens lá fora mudavam de cores e aqui dentro as cores tomavam forma. As vezes doce, as vezes amarga. Fui vivendo e desabrochando. Fui morrendo e revivendo em diversos ciclos. O fim nunca chega para aqueles que acreditam que podem vencer.
 É engraçado quando nos deparamos com o ponto zero. Quando apenas a linha de partida é a solução. Já recomecei inúmeras vezes, por erros ou por escolhas. O início nunca foi um problema. Na maioria das vezes veio como solução. A grande maioria das pessoas tem medo de recomeçar. Medo do novo, ou talvez do trabalho todo que passou e não quer perder. O incerto, o duvidoso, nos custa muito.
 Temos tantas coisas bonitas a observar. E nos perdemos por devaneios insanos. Somos capazes de ver o mal, dentro até mesmo de coisas belas. Mas o contrário, quase nunca aparece. É aquela velha história do copo com água pela metade. Está meio cheio, ou meio vazio? Tudo vai da percepção.
 E mesmo perdendo o gosto da vitória, saboreie o pingo de vida que a chuva traz. Por maior que seja a enxurrada. Por maior que seja o estrago. O que destrói traz vida. E o que traz vida, pode destruir. Mais uma vez, o que importa é o ponto de vista. E tenha certeza que no dia seguinte o Sol irá raiar. E assim sempre temos a escolha de abrir ou não a janela.

Entre Cabelos e Barba

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário: