Pages

Tristura


Tristura 

A chuva caía pela manhã e eu já não sentia mais o seu gosto. Nem sentia o seu perfume. Meus olhos mal abriam com o brilhar do sol.
 A sensação de estar perdido em meio a um tempo que não para. Pois o tempo não espera você acordar. Não da tempo para pensar. Nem se quer reagir em meio às confusas confusões de tempo e lugar. Onde se encontrar perdido em si, é corriqueiro. Não se achar mesmo estando ali, é comum.
 Ser um referente ponto no espaço e lugar, não nos faz estar ali. Pois o estar é vago. Posso estar aonde quiser, sem ao menos estar. Posso parecer ali e estar longe. Longe de toda a realidade. Que nem sempre é o que eu queria ter. 
 Poucos são os que gostam da realidade mórbida de nossas vidas medíocres. Poucos vêem graça na própria desgraça. Poucos são felizes por si só.

Entre Cabelos e Barba

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Um comentário:

Abraão Braga disse...

Gostei, você escreve bem cara. Nunca pensou em escrever um livro de crônicas? tentar contato com alguma editora? ou publicar de forma independente? Conheço um site que você pode publicar seu livro totalmente grátis! Veja: https://clubedeautores.com.br/

Fica a dica aí, se quiser um pouco de inspiração para se jogar em uma carreira de escritor profissional, entra no meu blog, Pilares do Sucesso, é novo mas com certeza vai te inspirar. Abraço! http://www.pilaresdosucesso.blogspot.com.br/