Pages

Está tudo certo!


Está tudo certo!


Eles marcham em silêncio, sem brilho, sem luz, sem vida... São mantidos com suas mentes ocupadas e suas bocas fechadas, ao olhar firme de seu comandante. Esse ninguém sabe quem é, e nem o que faz. Só ouvem a sua voz... Na verdade sua voz sopra baixinho no ouvido de cada um. Esse som nem sempre é claro, mas geralmente diz assim: “Sorria, você é feliz... Sorria, está tudo certo”. 
Com a venda nos olhos e o rumo incerto o exército marcha... Passam pela miséria, pela fome, pela sede, mas ninguém se importa, ou melhor, ninguém vê. Seu comandante continua a assoprar em seus ouvidos: “Sorria, você é feliz...”
O exército não para, faz tudo o que o seu comandante manda sem questionar. Mata, saqueia, atira em inocentes com a tranquilidade de um monge. Afinal, está tudo certo, é só seguir a voz de comando.
Pobre soldado humilhado, cansado do seu sofrer. Cansado de marchar sem objetivo. Enfim se liberta da venda que não o deixa enxergar. Logo esvazia a mente de besteiras e enxerga o mundo como realmente é. O mundo que não querem deixa-lo enxergar. 
Ele descobre a fome, a miséria, a sede, as doenças e percebe que tudo é causado pelo exército que marcha por cima do sangue inocente. O sangue de milhares de pessoas oprimidas pelo exército da morte. Ele não acredita no que vê, precisa alertar seus companheiros... 
Os olhos enxergam, a mente já não mais ocupada volta a pensar. Sua boca amordaçada precisa falar. E ele fala, grita aos quatro cantos do mundo que o exercito está errado, que a vida não é bela como seu comandante diz. Que há fome, miséria, morte... Causadas pela repressão, pela opressão, pelo marchar sem limites. Pelo explorar, pelo ignorar, pelo não amar o próximo. Pelo querer do poder, pelo querer sem escrúpulos... 
O soldado é ignorado. Os de fora não entendem, afinal, vivem com medo, sem conhecimento, na miséria do pensar, na miséria do saber. Os de dentro, não pensam, não querem pensar. É melhor marchar, que morrer na miséria...
O pobre soldado se sente livre, mas não sabe que está sendo observado de perto pelo seu comandante. Este o expulsa do exercito... Longe do exercito, ele é mais um entre os milhares de inocentes que sofrem com a ganância, e o poder das forças opressoras. Longe do rebanho ele é apenas mais um animal a ser morto para proteger o sistema. Longe das tropas ele é apenas mais um miserável, que serve de escada para alavancar o projeto audacioso do comandante. Longe do exercito ele é apenas mais um, mas cada soldado vendado é apenas mais um. No meio de tantos outros que não servem para nada. A não ser aumentar o poder de seus comandantes... Eles apenas marcham, marcham, e marcham.

Entre Cabelos e Barba

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário: